Rua Euclides da Cunha, 326 - Rio do Sul / SC  

[ Voltar ao Programa de Estudos ]

 

DIJ - DEPARTAMENTO DE INFÂNCIA E JUVENTUDE

 

Introdução

A denominação de Evangelização Espírita Infanto-Juvenil, se dá à transmissão do conhecimento espírita e da moral evangélica pregada por Jesus que foi apontado pelos Espíritos superiores, que trabalharam na Codificação, como modelo de perfeição para toda a Humanidade. (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 60. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1984. Questão 625, p. 308).

Como a preocupação não é somente com a transmissão de conhecimentos mas, sobretudo, com a formação moral, e como a formação moral se inspira no Evangelho, parece-nos muito apropriada a denominação de "evangelização espírita" dada a essa tarefa, por expressar, na sua abrangência, exatamente o que se realiza em nossos agrupamentos de crianças e jovens.

O ensinamento espírita e a moral evangélica são os elementos com os quais trabalhamos em nossas aulas. Esses conhecimentos são levados aos alunos através de situações práticas da vida, pois a metodologia empregada pretende que o aluno reflita e tire conclusões próprias dos temas estudados, pois só assim se efetiva a aprendizagem real.

"Devendo a prática geral do Evangelho determinar grande melhora no estado moral dos homens, ela, por isso mesmo, trará o reinado do bem e acarretará a queda do mal." (KARDEC, Allan. Predições do Evangelho. A Gênese. Trad. de Guillon Ribeiro. 28. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1985. Item 58, p. 396.)

"Mas todos os que tiverem em vista o grande princípio de Jesus se confundirão num só sentimento: o do amor do bem e se unirão por um laço fraterno, que prenderá o mundo inteiro." (KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. de Guillon Ribeiro. 60. ed. Rio de Janeiro, FEB, 1984. Prolegômenos, 14º parágrafo, p. 50.)

(O Que é Evangelização? Fundamentos da Evangelização Espírita da Infância e da Juventude,FEB,1987)

 

Objetivos

a) Promover a integração do evangelizando:

  • consigo mesmo;

  • com o próximo;

  • com Deus.


  • b) Proporcionar ao evangelizando o estudo:
  • da lei natural que rege o Universo;

  • da natureza, origem e destino dos Espíritos bem como de suas relações com o mundo corporal.


  • c) Oferecer ao evangelizando a oportunidade de perceber- se como homem integral, crítico, consciente, participativo, herdeiro de si mesmo, cidadão do Universo, agente de transformação de seu meio, rumo a toda perfeição de que é suscetível.


    Princípios Metodológicos

    A educação é poderosa. É alavanca que corrige atitudes, emerge qualidades e canaliza energia.

    É a educação a mola propulsora que prepara a sociedade renovada, regida por leis evoluídas e sábias. O progresso social é fruto da renovação moral do homem.

    Infância e Juventude Cristã logicamente formarão sociedades cristianizadas, distinguidas pelo amor fraterno, concretizando em nossa humanidade o tão desejado sentimento de família terrena, para mais tarde integrar-se no espírito de "Família Universal".

    É preciso trabalhar no sentido de conscientizar o homem desde sua infância da grande verdade: a imortalidade do Espírito e sua ascensão para a luz.

    Para tal, não basta aquisição de intelectualidade é o necessária a aprendizagem emocional, educando e aprimorando os sentimentos, auxiliando a conquista da moral elevada para que haja constante renovação espiritual no ser humano.

    (...) A evangelização é empresa de amor. (Xavier, Francisco Cândido, Estante da Vida, FEB )

    (...) a tarefa da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil é do mais alto significado dentre as atividades desenvolvidas pelas instituições espíritas, na sua ampla e valiosa programação de apoio à obra educativa do homem. (O Que é Evangelização? Fundamentos da Evangelização Espírita da Infância e da Juventude, FEB,1987)

    Evangelizar a infância é preparar o ser humano para enfrentar todos os momentos e adversidades da vida nos postulados do Evangelho, numa verdadeira e profunda imitação do Mestre Jesus. E o único meio é cultivar no Espírito da Criança, desde o alvorecer da vida, o entendimento da prática das boas obras, a aquisição da moral e do saber, para que ela atinja o crepúsculo físico, consciente de sua conquista espiritual, conhecendo a si mesma e situando-se no universo como colaboradora da Divindade Suprema. (A Evangelização da Infância e Juventude na Opinião dos Espíritos, FEB)

    Educar, pois, dentro da concepção Espírita é não só oferecer os conhecimentos do Espiritismo como também envolver o educando numa atmosfera de responsabilidade, de respeito à vida, de fé em Deus, de consideração e amor aos semelhantes, de valorização das oportunidades recebidas, de trabalho construtivo e de integração consigo mesmo, com o próximo e com Deus. (O Que é Evangelização? Fundamentos da Evangelização Espírita da Infância e da Juventude, FEB, 1987).

     

    O evangelizando

    O evangelizando é um ser espiritual, criado por Deus e que participa dos dois planos da vida: do físico e do espiritual.

    Nesse processo de autoaperfeiçoamento, o educando se transforma e transforma a realidade que o circunda.

    Como foco do processo educativo, deve ser visto de forma integral, ao mesmo tempo que integrado com seu grupo social e com a Natureza, da qual faz parte.


    O evangelizador

    Como facilitador do conhecimento espírita, oferecido pelo Centro Espírita às novas gerações, o evangelizador deverá reunir determinadas características que favoreçam seu papel de intermediador entre o conhecimento inato do evangelizando e o conhecimento adquirido, de maneira sistematizada, na Doutrina.

    Assim, é importante que:

  • conheça os conteúdos doutrinários;

  • seja um referencial de comportamento ético, à luz dos ensinamentos de Jesus;

  • esteja convencido de que a Evangelização Espírita irá contribuir para a transformação moral da Humanidade;

  • tenha entusiasmo pela tarefa;

  • seja flexível e receptivo à aquisição de novos conhecimentos;

  • tenha uma visão integrada do Currículo da Evangelização e de sua inserção no Movimento Espírita;

  • saiba escolher metodologias que possibilitem ao evangelizando construir, elaborar e expressar seu conhecimento;

  • tenha sensibilidade para se avaliar, considerando seu papel de mediador entre o conhecimento, o aluno e sua realidade.

  • Fonte: Currículo para as Escolas de Evangelização Espírita Infanto- Juvenil

    A Importância da Evangelização

    Inútil improvisar escoras regenerativas para obrigar o endireitamento de árvores que envelheceram tortas. As escoras só asseguram o crescimento correto das plantas novas, evitando que seus caules se desviem do rumo certo. Assim ocorre também com os seres humanos. Depois que as pessoas consolidam tendências e as transformam em viciações, que acabam por tornar-se numa segunda natureza, tudo fica sempre muito difícil quando se cogita de reformas de procedimento, em sentido profundo. É preciso cuidemos, portanto, da criança e do jovem, plantas em processo de crescimento, ainda amoldáveis e direcionáveis para o bem maior.(Campo Fértil, Leopoldo Machado)

    Bezerra de Menezes, pela mediunidade de Júlio Cezar Grandi Ribeiro responde questões que esclarecem a importância da Evangelização Espírita Infanto-juvenil, conforme reproduzimos a seguir:

    Qual a importância da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil na formação da Sociedade do Terceiro Milênio?

    Considerando-se, naturalmente, a criança como o porvir acenando-nos agora, e o jovem como o adulto de amanhã, não podemos, sem graves comprometimentos espirituais, sonegar-lhes a educação, as luzes do Evangelho de Jesus-Cristo, fazendo brilhar em seus corações as excelências das lições do excelso Mestre com vistas à transformação das sociedades terrestres para uma nova Humanidade.

    (...) é imprescindível abracemos, com empenho e afinco, a tarefa da evangelização junto às almas infanto-juvenis, tão carentes de amor e sabedoria, porém, receptivas e propícias aos novos ensinamentos. E isto, com a mesma ansiedade e presteza com que o agricultor cedo acorda para o arroteamento do solo, preparando a sementeira de suas esperanças para abundantes meses da colheita pretendida.

    Como os Espíritos situam, no conjunto das atividades da Instituição Espírita, a tarefa da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil?

    Tem sido enfatizado, quanto possível, que a tarefa da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil é do mais alto significado dentre as atividades desenvolvidas pelas Instituições Espíritas, na sua ampla e valiosa programação de apoio à obra educativa do homem. Não fosse a evangelização, o Espiritismo, distante de sua feição evangélica, perderia sua missão de Consolador, renteando-se com a diversidade das escolas religiosas no mundo que, embora úteis e oportunas, estiolaram-se no tempo absorvendo posições de terminalidade e dogmatismo.

    É forçoso reconhecer que Espiritismo sem aprimoramento moral, sem evangelização do homem é como um templo sem luz.

    Já tivemos oportunidade de lembrar que uma Instituição Espírita representa uma equipe de Jesus em ação e, como tal, deverá concretizar seus sublimes programas de iluminação das almas, dedicando-se com todo empenho à evangelização da infância e da mocidade. (Opúsculo A Evangelização Espírita na Opinião dos Espíritos, FEB)

    Centro Espírita, consciente de sua missão, deve envidar todos os esforços, não só para a criação das Escolas de Evangelização Espírita Infanto-Juvenil como para o seu pleno funcionamento, considerando a sua importância em termos de formação moral das novas gerações e de preparação de futuros obreiros da Casa e do Movimento Espírita.(O Que é Evangelização? Fundamentos da Evangelização Espírita da Infância e da Juventude, FEB,1987)

    [ Voltar ao Programa de Estudos ]


    "Começamos a ouvir vozes que afirmavam que outro mundo era possível. Hoje temos claro que um outro mundo é inevitável."